PUBLICIDADE
Topo

Histórico

O novo coronavírus e os trabalhadores invisíveis

Comissão Arns

02/04/2020 11h54

 

Por Paulo Sérgio Pinheiro

No Rio de Janeiro, na década de 1950, mal notávamos, no Leblon, bairro à beira mar onde eu morava, os barracos nas encostas da Montanha dos Dois Irmãos, que mais tarde se tornariam a favela da Rocinha. Para chegar à Rocinha, você tinha que pegar uma estrada famosa por uma curva dramática, no circuito de carros de corrida da Gávea, então uma das mais perigosas já concebidas. Tive meus únicos vislumbres da favela quando meu pai me levava ali para ver meus ídolos competindo, os pilotos Juan Manuel Fangio e Chico Landi. Os pobres, principalmente negros das favelas, não se misturavam com a classe média alta branca que morava perto da praia. Empregadas domésticas, na maioria negras, só iam à praia nos fins de semana após o pôr do sol, quando os brancos já tinham voltado para casa.

Hoje, pouco mudou na mentalidade das pessoas de classe alta branca. Elas abrem as janelas de seus luxuosos apartamentos nas praias do Leblon e Ipanema, vêem os barracos da Rocinha se espalhando pelos lados da Montanha dos Dois Irmãos, e apagam os 100 mil moradores das favelas de suas mentes, tornando-os invisíveis. Esse processo somente é perturbado quando percebem seus próprios empregados e "criadas" como moradores da Rocinha. Em minha infância, no apartamento da minha avó, no Leblon, sempre havia pelo menos uma copeira e uma cozinheira. Nunca me disseram onde essas pessoas, que sempre foram tão gentis comigo, moravam, ou qualquer coisa sobre suas famílias e vidas particulares. Eu nem sabia o nome completo delas. Setenta anos depois, ainda sobrevive no Brasil uma combinação de racismo, segregação e desigualdade, em um sistema informal de apartheid.

Tudo isso me veio à cabeça quando irrompem, no enfrentamento do novo coronavírus, os companheiros daqueles trabalhadores no Rio que, no dia a dia da desigualdade e da discriminação dos pobres e dos negros, são igualmente invisíveis. Não há a menor dúvida de que o isolamento social é a melhor estratégia para barrar a disseminação da pandemia. Mas, enquanto classes dominantes podem se fechar em casas e residências secundárias, não sair, lavar as mãos, não receber visitas, comprar de restaurantes on-line, o isolamento, logo, a proteção contra o virus, é um difícil desafio para a maioria negra e pobre.

A começar para os 13,6 milhões que vivem nas 6329 favelas das metrópoles brasileiras, tendo seu baixo padrão de vida dramaticamente achatado, com dificuldade até para encontrar alimentos. Junto a esses, os que entregam comida para os happy few, carteiros, lixeiros, caixas no comércio, porteiros, padeiros, zeladores, policiais que sobrevivem em meio à precariedade. Some-se a esse contingente, da mesma forma mais expostos ao vírus, o pessoal da saúde, médico, enfermeiros, faxineiros nos hospitais do SUS sucateados pelo atual e pelo governo anterior emerso do golpe.

Justamente são aqueles trabalhadores invisíveis o alvo predileto do presidente da República, que age, disse o jornalista Bernardo Mello Franco, "como um líder de seita que tenta conduzir o rebanho ao suicídio coletivo", pregando demagogicamente a volta da população às ruas. Em vez de liberar recursos urgentes para que esses invisíveis possam se proteger do vírus com o isolamento e o confinamento.

 

Paulo Sérgio Pinheiro é integrante da Comissão Arns, cientista político, ex-ministro da Secretaria de Estado de Direitos Humanos.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL. Ele expressa opiniões do seu autor e também não necessariamente reflete um consenso da Comissão Arns.

Membros da comissão

Ailton Krenak (líder indígena e ambientalista), André Singer (cientista político e jornalista), Antônio Cláudio Mariz de Oliveira (advogado, ex-presidente da OAB-SP), Belisário dos Santos Jr. (advogado, membro da Comissão Internacional de Juristas), Cláudia Costin (professora universitária, ex-ministra da Administração), Dalmo de Abreu Dallari (advogado, professor emérito e ex-diretor da Faculdade de Direito da USP), Fábio Konder Comparato (advogado, doutor Honoris Causa da Universidade de Coimbra, professor emérito da Faculdade de Direito da USP), José Carlos Dias (presidente da Comissão Arns, advogado, ex-ministro da Justiça), José Gregori (advogado, ex-ministro da Justiça), José Vicente (reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares), Laura Greenhalgh (jornalista), Luiz Carlos Bresser-Pereira (economista, ex-ministro da Fazenda, da Administração e da Reforma do Estado), Luiz Felipe de Alencastro (historiador, professor da Escola de Economia da FGV/SP e professor emérito da Sorbonne Université), Manuela Carneiro da Cunha (antropóloga, professora titular aposentada da USP e da Universidade de Chicago), Margarida Bulhões Pedreira Genevois (presidente de honra da Comissão Arns, ex-presidente da Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo), Maria Hermínia Tavares de Almeida (cientista política, professora titular da Universidade de São Paulo), Maria Victoria Benevides (socióloga e cientista política, professora titular da Faculdade de Educação da USP), Oscar Vilhena Vieira (jurista, professor da Faculdade de Direito da FGV/SP), Paulo Vannuchi (jornalista, cientista político, ex-ministro de Direitos Humanos), Paulo Sérgio Pinheiro (cientista político, ex-ministro da Secretaria de Estado de Direitos Humanos), Sueli Carneiro (filósofa, feminista, ativista antirracista e diretora do Gelidés), Vladimir Safatle (filósofo, professor do Departamento de Filosofia da USP)

História da comissão

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos ¨Dom Paulo Evaristo Arns¨ foi instalada em 20 de fevereiro de 2019, em ato público na Faculdade de Direito da USP, no largo de São Francisco (SP). Ela reúne, como membros-fundadores, 20 personalidades do mundo político, juristas, acadêmicos, intelectuais, jornalistas e militantes sociais de distintas gerações, cujo denominador comum tem sido a permanente defesa dos direitos humanos em suas áreas de atuação. O grupo se organizou de forma espontânea, voluntária e suprapartidária, para dar visibilidade a graves violações da integridade física, liberdade e dignidade humana em nosso país. Tem como prioridade os indivíduos e as populações discriminadas - mulheres, negros, indígenas, quilombolas, pessoas LGBTQs, jovens, moradores de comunidades urbanas e rurais em situação de extrema pobreza. A Comissão Arns age sentido de impedir retrocessos em marcos legais e direitos sociais conquistados pelo povo brasileiro.